Risco e retorno

Como o risco e retorno afeta o planejamento dos investimentos?

Fazer o dinheiro render é essencial para manter as contas equilibradas e ter uma melhor qualidade de vida. Nessa premissa, muitas pessoas começam a investir e logo se deparam com o termo risco e retorno sem saber ao certo o que ele significa ou como afeta os investimentos.  

A definição de risco e retorno é bem simples. Esse conceito resume quais são as chances de alguém perder dinheiro em uma aplicação e quanto o dinheiro investido nesta aplicação poderá ou não render. Antes de investir qualquer quantia em uma aplicação, é necessário dominar basicamente esse conceito. 

O que é risco e retorno no mundo financeiro? Saiba mais neste texto da Nexoos.

O que é risco e retorno? 

Risco

Detalhando melhor, o risco é a probabilidade de perder dinheiro ao investir em determinada modalidade ou título. Investimentos como o tesouro direto — cujos títulos são lastreados e garantidos pelo governo — e a poupança são notoriamente mais seguros, pois não estão tão sujeitos a variações externas de mercado.

Já o risco da bolsa de valores é considerado médio-alto, pois não há como prever o comportamento do mercado e como as empresas serão afetadas. Uma empresa que ganhou um prêmio internacional vai se valorizar, melhorando o rendimento de suas ações, por exemplo. 

Uma companhia denunciada em escândalos fiscais, como a Operação Lava Jato, terá sua reputação afetada. Esse momento impacta negativamente suas ações e, por consequência, o rendimento dos investidores. 

Retorno

Quanto maior for o risco, maior será o retorno e vice-versa. Isso acontece por alguns motivos, como as taxas às quais aquele investimento está atrelado — que regulam diretamente quanto aquela aplicação vai render — e também ao número de pessoas que participam daquele investimento. 

No caso dos títulos públicos, é muito difícil que eles rendam muito, pois seu retorno é atrelado à taxa Selic, que se mantém estável. O número de participantes também influencia, pois quanto mais pessoas investem em aplicações menos arriscadas, mais diluído será o lucro entre os participantes.

No caso de algumas aplicações de alto risco, o que acontece é o oposto: quanto menos pessoas investindo, menor será a repartição, aumentando o retorno esperado. No entanto, não é só isso que determina o alto rendimento desses investimentos. Dentre outros fatores, as taxas de correção também influenciam. 

Diferentemente dos títulos públicos ou da poupança, cujas taxas de correção são pequenas, a medida tomada para proteger o retorno nos investimentos de alto risco é a vinculação com taxas mais altas, que garantem um retorno maior caso ocorram variações bruscas no futuro. 

Como diluir o risco e aumentar o retorno? 

A diversificação de portfólio é fundamental para que risco e retorno compensem um ao outro. É recomendável que o investidor adeque sua carteira de investimentos conforme o seu perfil: iniciante, médio ou experiente. 

Para os iniciantes, recomenda-se que a carteira seja composta majoritariamente por aplicações com menor risco, e apenas uma pequena parte por investimentos mais perigosos como a bolsa de valores ou outras modalidades, como o Peer-to-Peer Lending.

Para os investidores com perfil médio, o portfólio mais aconselhado é o misto, que aporta recursos em investimentos tradicionais, de médio-alto risco e de altíssimo risco. Ainda assim, é necessário acompanhar as variações de mercado e se aconselhar com consultores especializados, se necessário. 

No caso daqueles investidores que já são experientes e contam com anos de participação no mercado, é comum que o portfólio seja composto majoritariamente por ações de alto risco, cuja rentabilidade é maior. Uma parte menor de sua carteira de investimentos é aplicada nos mais tradicionais. 

É importante ressaltar que, quando for investir dinheiro, procurar opções disruptivas e inovadoras é sempre interessante, já que muitas delas são ótimas alternativas ao mercado tradicional mais engessado e podem ser diferenciais para aqueles que procuram compensar risco e retorno

Investimento com alta rentabilidade e amplo portfólio? Vem pra Nexoos!

Se você se interessou pelas opções com maior rentabilidade e quer saber mais sobre isso, conheça o Peer-to-Peer Lending. Ele é uma espécie de empréstimo coletivo que financia pequenas e médias empresas por meio de plataformas digitais, como a Nexoos, por exemplo. 

Nessa modalidade de investimento o risco é alto, pois o rendimento depende única e exclusivamente do pagamento das parcelas por parte do empresário que solicitou o aporte. Ainda assim, a taxa cobrada do empreendedor é justa e possibilita ao investidor ter uma rentabilidade superior à praticada pelo mercado.  

Ficou com alguma dúvida sobre o Peer-to-Peer Lending ou sobre o risco e retorno? Converse com um dos nossos especialistas e junte-se aos milhares de investidores que alavancam a economia local através da Nexoos. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Rolar para cima