design thinking

Entenda a relação entre Design Thinking e o empreendedorismo

Diante da grande quantidade de variedade de produtos e serviços no mercado, é difícil para o empresário encontrar “uma deficiência” em que ele possa começar a investir. Para ajudar na criação de projetos com maiores chances de sucesso, existe a abordagem do Design Thinking.

Esse é um processo colaborativo em que todas as opiniões devem ser levadas em consideração, com o objetivo de entender as necessidades da persona — perfil do público-alvo selecionado pela empresa.

As divergências de visões de mundo e cultura são aspectos essenciais nessa abordagem. Para ajudar você a entender o que é Design Thinking e como ele pode lhe ajudar, como empreendedor, a Nexoos elaborou o conteúdo abaixo. Confira.

O que é Design Thinking?

O termo Design Thinking foi criado nos anos 90, para designar o modo com que os designers pensavam: criativo, crítico e empático. Essas características podem alavancar várias áreas do mercado, inclusive o empreendedor.

Adotando essa perspectiva, a idealização do Design Thinking é que o empresário consiga reunir o máximo de perspectivas distintas. Dessa forma, criando abordagens diferentes para resolver os problemas dos seus consumidores e produtos.

Vale ressaltar que essa não é uma abordagem que possui uma fórmula específica para garantir alta rentabilidade, mas, sim, etapas que criam condições favoráveis para gerar ideias e insights — para conquistar o seu público.

Qual o papel do Design Thinking para os empreendedores?

Conseguir que o seu produto conquiste o consumidor e seja recorde de vendas demanda mais que empenho do empresário. Além de estudo do mercado, o Design Thinking de Serviços também é um recurso utilizado.

Sendo um dos ramos do Design Thinking, essa é uma maneira ampla de compreender as necessidades do consumidor. Buscando empatia, o gestor consegue entender qual setor demanda maior investimento, em vez de focar em presunções estatísticas.

Humanizar o relacionamento com os clientes é uma estratégia que, em geral, costuma gerar bons resultados. Segundo a Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), quando usada essa abordagem, os produtos lançados tendem a gerar bons resultados.

O Design Thinking no Brasil já conquistou o seu lugar. Um reflexo disso é que cada vez mais universidades adotam essa matéria nas grades curriculares, como na ESPN de São Paulo, que conta com o professor Marcelo Pimenta para administrar workshops sobre o assunto.

As etapas do Design Thinking

O processo de abordagem pode ser realizado em quatro etapas. Desde o ponto em que busca identificar os aspectos negativos que afetam o consumidor, até o desenvolvimento, que consiste em colocar em prática e monitorar os resultados. Veja abaixo como aplicar o Design Thinking.

Imersão

Na etapa de imersão, a empresa deve começar a entender quais são as principais “falhas” do seu relacionamento com a persona. As ferramentas para realizar essa pesquisa são muitas, desde entrevistas pessoais com os clientes até a clássica Análise SWOT.

Esse é um mecanismo tradicional aconselhável a toda empresa que queira ter um crescimento saudável. Ele mapeia os pontos fortes, além das fraquezas, ameaças e oportunidades do empreendimento — do ponto de vista interno e externo.

Possuir esse tipo de conhecimento — com ênfase na experiência do cliente e dos funcionários — permite que você tome decisões mais conscientes na próxima etapa do Design Thinking, nomeada de ideação.

Ideação

Com todos os itens que demandam alguma atenção reunidos, na ideação do Design Thinking você já terá localizado os que precisam de mais urgência. Em conjunto com uma equipe, adote estratégias e técnicas para que o maior número de soluções surja.

É importante o compartilhamento dos insights, mesmo que divergentes, para trazer diversidade para a próxima fase: a prototipação. Vale lembrar que o aspecto emocional sempre deve estar presente e a linguagem deve ser a mais próxima possível à da persona.

Prototipação

Com o maior número de ideias reunidas, na fase de prototipação você deve impor um filtro e escolher as que forem mais suscetíveis ao sucesso. Visando o menor risco, antes de fazer grandes investimentos, busque criar protótipos e testar.

As simulações de serviços ou pesquisas de mercado são opções viáveis para realizar nessa etapa, caso opte por colocar um novo produto no mercado.

Desenvolvimento

Como um teste final, na etapa de desenvolvimento você lança o seu produto ou serviço e começa a implementar medidas para atrair o público — incluindo outros setores do negócio, como comunicação e publicidade.

O processo do Design Thinking não acaba depois que o público conhece a novidade, já que é preciso manter um monitoramento constante, apontando pontos que ainda demandam cuidado.

Conte com a Nexoos para ampliar os seus conhecimentos!

Quer saber mais sobre termos empresariais? No blog da Nexoos, você encontra mais conteúdos feitos para você, empreendedor. Acesse e conheça o artigo sobre o Product Market Fit, veja como essa técnica pode ajudá-lo a entender o valor do seu produto no mercado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Rolar para cima