Empreendedorismo10 de agosto de 2016 Tempo de Leitura: 4 minutos

Como monitorar o capital de giro da sua empresa

Por Redação Nexoos

Empresas não podem funcionar baseadas em ganhar dinheiro por estarem abertas. Muitos dos vários empreendedores que vão à falência têm tal fim por pensarem dessa forma. Porque, para sobreviverem, precisam saber como monitorar o capital de giro e o que ele é. Assim, se mantém o negócio aberto.

Essa base financeira para funcionamento da organização é o que paga as contas, os funcionários, os impostos e ainda fornece disponibilidade para qualquer despesa variável ou eventual. Não há existência empresarial saudável e sustentável sem ela.

Para não ter problemas por conta disso, veja agora como fazer o cálculo desse capital para manutenção dos custos do empreendimento. Então, continue lendo e confira!

O que é o capital de giro?

O capital de giro é o valor que o empreendimento necessita para realizar suas operações de atividades econômicas. Ele é representado pelos itens de uso e consumo rápido na empresa.

Ou seja, o ativo circulante é tudo que a empresa tem para custear e manter seus gastos operacionais do dia a dia, sejam despesas fixas, ou os custos necessários para comercialização, produção ou prestação de serviço.

O capital de giro é diferente do chamado capital fixo ou permanente, que é o investimento voltado à compra de máquinas, instalações, matérias primas, imóveis e equipamentos. Esses itens são necessários para o início do processo físico de funcionamento do empreendimento.

Qual a importância em monitorar o capital de giro?

Se observar os processos que levam algumas empresas à falência, descobre-se que a falta de capital de giro é o principal motivo que as leva a isso. Empreendimentos lucrativos, em vários casos, sucumbem pela falta de planejamento da rotação do capital. Não basta apenas entender porque isso acontece, mas sobretudo, analisar o ciclo operacional da empresa, que se divide em ciclos financeiro e econômico.

A rotação econômica interfere no processo de produção, desde a compra de produtos até a venda dos bens e serviços. Por sua vez, o financeiro vai do pagamento da compra de insumos ao recebimento pelas vendas realizadas. O problema é que os empreendedores não se lembram que o aumento de produção afeta primeiro o pagamento dos insumos. Só depois do ciclo operacional, a empresa recebe pelo aumento produtivo.

Dessa forma, a necessidade de capital de giro amplia com o crescimento da produção e, caso a empresa não se planejar, ela poderá ter graves problemas financeiros.

Monitorar os ciclos econômico e financeiro é essencial. Eles não são afetados apenas pelo crescimento, como também pelos prazos de pagamento e recebimento. Mesmo que o capital circulante não seja essencialmente função do ciclo operacional, administrar as mudanças nos ciclos econômicos e financeiros é a peça chave para a manutenção do empreendimento.

Saiba como monitorar e otimizar o capital de giro

1. Mantenha um bom fluxo de caixa

O fluxo está intimamente ligado à sustentabilidade financeira da empresa, pois engloba os recebimentos e as obrigações. E além de controlar os números em movimento, o fluxo de caixa também deve projetar as contas a pagar, receber e saldos disponíveis em curto e longo prazos.

Assim, é possível saber quais são os valores que influenciarão no capital de giro e se é ou será necessário tomar alguma decisão para manter as finanças saudáveis.

2. Controle o estoque

Esse controle é extremamente importante para o cálculo. Por exemplo, se todas as obrigações forem cumpridas e sobrar uma pequena liquidez, porém o estoque estiver baixo e não controlado, o planejamento estará errado. Em breve, um pedido ao fornecedor que exija um gasto acima das disponibilidades, resultará em capital insuficiente.

É claro que as aquisições podem ser feitas a prazo. E mesmo nessas condições, o controle de estoque precisa estar em dia, pois isso possibilita a adequação das obrigações futuras adquiridas em relação ao capital e ao fluxo projetados, contribuindo também para a projeção de seus saldos consolidados.

3. Tenha um sistema de cobrança eficiente

Por mais que se busque evitar, sempre surgem clientes inadimplentes. E quanto mais devedores se tem, mais capital de giro é necessário. Ter um setor especificamente voltado às cobranças e um instrumento de automatização e controle eficiente, os quais melhorem os pagamentos dos clientes devedores, impede que você entre no vermelho por faltas reversíveis de pagamento.

4. Conte apenas com o dinheiro recebido

Mesmo tendo prognóstico de recebimentos, você não pode gastar o capital antes de ele efetivamente entrar na sua conta bancária, não é mesmo? Já pensou se o cliente não te pagar? Dessa forma, só gaste quando tiver total certeza de que o dinheiro entrou na sua conta.

5. Negocie prazos com os fornecedores

Quanto maiores forem os prazos para efetuar o pagamento aos seus fornecedores, mais tempo você possui para organizar seu caixa. Muitos fornecedores são bem flexíveis e aceitam prazos estendidos de 45 ou até 60 dias. Mas não atrase nunca o pagamento desse fornecedor. Se ocasionalmente for necessário, renegocie, mas nunca o deixe sem uma satisfação.

6. Utilize a fórmula de cálculo com as contas circulantes para calcular o capital de giro

Nos relatórios contábeis, ativo e passivo circulantes são os recebíveis e as obrigações em movimento no presente e em curto prazo — considerados, para tais instrumentos financeiros, valores realizáveis dentro do exercício corrente.

Então, como calcular o capital de giro com esses relatórios? Basta diminuir os passivos dos ativos, que devem representar mais dinheiro do que as obrigações. Assim, se tem capital bruto e líquido para o funcionamento da empresa.

Por exemplo,

  • ativo circulante do mês — R$ 295 mil;
  • ativo circulante em curto prazo — R$ 637 mil;
  • passivo circulante do mês — R$ 175 mil;
  • passivo circulante em curto prazo — R$ 485 mil;
  • projeção de compras em curto prazo — R$ 36 mil;
  • projeção de compras no mês — R$ 18 mil;
  • capital líquido do mês — R$ 102 mil;
  • capital líquido em curto prazo — R$ 98 mil.

Essa equação dá segurança ao negócio, pois garante que contas, folha de pagamentos e impostos sejam quitados e ainda haja porte líquido para o futuro ou despesas imprevistas. Mas, para que essa conta seja feita corretamente e nenhuma surpresa estrague o planejamento, o fluxo de caixa precisa ser um aliado íntimo e estar muito bem controlado — corroborando os números acima.

E ainda é necessário relacionar o estoque e sua movimentação, para ter exatidão no resultado líquido.

7. Procure otimizar o capital de giro

Algumas ações podem fazer com que o capital gire positivamente mais rápido e se mantenha sempre alto. Por exemplo, pode-se antecipar os recebíveis dando descontos para clientes em pagamentos antecipados a prazo, ou oferecendo valores mais em conta para recebê-los à vista.

Outra ótima forma de possuir um bom capital para ter base disponível segura, contas e ainda poder investir no negócio é tomando empréstimo. Porém, não se deve recorrer a qualquer entidade financeira, com grande burocracia e juros pesados. É recomendável optar por um modelo de financiamento desburocratizado e que ofereça boas condições — juros reduzidos —, como as fintechs.

Então, ainda tem alguma dúvida de como calcular o capital de giro? Deixe seu comentário sobre como você lida com esse decisivo elemento empresarial.

Redação Nexoos

Compartilhe este Artigo   

automatização capital circulante Capital de Giro ciclo operacional contas circulantes controle de estoque Fluxo de Caixa gestão de empresas Gestão Financeira otimização de capital de giro relatórios contábeis sistema de cobrança

Deixe seu comentário

Os comentários estão fechados.

Precisa de dinheiro para impulsionar seu negócio?

Insira o valor desejado entre R$15.000,00 e R$500.000,00 para iniciar sua cotação.

Artigos Relacionados

Inscreva-se em
nosso Blog!

Receba, em primeira mão, conteúdos exclusivos sobre empreendedorismo e investimentos.