Capital de Giro: O que é?

Sabe o que é capital de giro e qual sua importância para a saúde financeira do seu negócio? Entenda como calcular e garantir as operações da sua empresa!

Um dos conhecimentos mais básicos para todo empreendedor é sobre o conceito de capital de giro, e isso independente do porte ou segmento da empresa. Já que está intimamente relacionado à saúde financeira do negócio, a falta dessa reserva pode levar a empresa à falência.

Por isso, preparamos este guia para ajudar você a entender os principais elementos do capital de giro e as melhores práticas que englobam essa gestão.

Se sua empresa está precisando de crédito para capital de giro (solicite online), refinanciamento ou expansão, conheça a Nexoos e confira as melhores taxas de juros para sua empresa! Não precisa de garantias reais e o processo online é rápido, simples e seguro.

Clique aqui e faça uma simulação agora!

 

O que é capital de giro?

Capital de giro são todos os recursos financeiros que a empresa tem para arcar com seus custos operacionais, ou seja, para manter o negócio em pleno funcionamento.

Esse ativo circulante se concentra não somente no caixa, mas também em investimentos de alta liquidez (que podem ser resgatados a qualquer momento), em contas bancárias ou em outro lugar que possa ser facilmente acessado e utilizado para cumprir as obrigações do empreendimento, que englobam:

  • salários;
  • tributos;
  • internet;
  • energia;
  • água;
  • compra de estoque;
  • aluguéis.

É claro que a empresa tem outros recursos, por exemplo, em investimentos fixos, como veículos, maquinário e imóveis. No entanto, não são ativos que podem ser utilizados prontamente para custear as operações.

Necessidade de capital de giro

Como saber se realmente preciso de capital de giro?

Teoricamente, bastaria ter sempre um valor disponível suficiente para cobrir todas despesas, gerenciando bem o fluxo de caixa. Mas algumas situações podem ser um obstáculo, justificando a importância de ter um bom capital de giro.

Considere o caso de uma loja de calçados que compra 20 pares de sapatos por R$ 80 cada por um custo total de R$ 1.600. Ela vai vender o par por R$ 120. Daí, consegue vender:

  • 5 pares à vista = R$ 600;
  • 10 a prazo (divididos em 3 vezes) = R$ 400 no próximo mês;
  • os outros 5 continuam no estoque = R$ 0 de entrada.

Logo, em relação aos 20 pares, ela terá R$ 1.000 no mês seguinte para repor o valor inicial investido e ainda direcionar em outros custos operacionais da loja. Se algo semelhante ocorresse com outros produtos da empresa, é possível que ela tivesse sérios problemas para arcar com suas obrigações, especialmente se não houvesse um bom planejamento do capital de giro.

Assim, o capital de giro se torna uma espécie de reserva de onde você vai tirar recursos enquanto os pagamentos não forem feitos. Nesse caso da loja de sapatos, mesmo que 5 pares ainda não tenham sido vendidos e ainda falte receber R$ 800 dos pares negociados a prazo, o capital de giro poderia “segurar” as pontas até que esse dinheiro entrasse.

Podemos citar também o problema da sazonalidade. Como sabemos, há meses que as vendas são maiores que outros. Por exemplo, papelarias têm seus picos de vendas no início das aulas, mas em outros meses o fluxo pode ser bem pequeno. É preciso então planejar o capital de giro para conseguir um equilíbrio e garantir recursos para arcar com as despesas mesmo em meses de menor movimento.

Adicionalmente, existem imprevistos que também podem afetar a saúde financeira da empresa, como imprevistos, crise econômica e oscilação dos mercados. Assim, quanto é necessário ter para manter seu capital de giro na medida certa? É o que você vai ver agora!

Share This
Rolar para cima